17
Abr
09

Top musical, 2008

1- CULT OF LUNAcultoflunaeternalkingdom
Eternal Kingdom

Depois de uma obra-prima (Salvation) e de uma semi obra-prima (Somewhere along the highway) estes metaleiros suecos atingem o cume da montanha com o seu mais recente trabalho. E a minha pergunta é a seguinte: o que é que estes senhores tomam ao pequeno-almoço, anabolizantes sonoros? Eternal Kingdom é, na minha singela opinião, o ónus do post-metal. Um trabalho que irá ficar imortalizado no tempo ao lado de um “Times of Grace” ou de um “Panopticon”, para bons entendedores. Os Cult of Luna aproximam-se perigosamente da perfeição com mais este artefacto.
Faixas a destacar: Todas. Não mutilem este álbum.

2- TV ON THE RADIOcover-1
Dear Science

Meus caros, começo por dizer o seguinte, o David Bowie nunca se engana. Quando resolveu dar uma perninha em “Providence” mal sabia que estava a baptizar a fulgurante carreira dos Tv on the Radio. Dizer que estes rapazes fazem pop mastigável é ignorar o que de melhor saiu do underground pop. Dear science não chega a ser uma confirmação, é a beatificação de uma sonoridade que faz deles a melhor banda indie do momento. Falta tacto a muita pop/rock elevada aos céus pela imprensa especializada. Estes Nova-iorquinos depois de terem assaltado a vanguarda musical com “Return to Cookie Mountain” saiem-se com mais este caldo de cultura funk, soul, disco e rock. É preciso mais alguma coisa?
Faixas a destacar: Halfway home; Golden age; Family Tree.

3- BLACK MOUNTAINblack-mountain-in-the-future1
In the future

O revivalismo, quando bem feito, é a cena mais viciante e poderosa deste mundo pós-hippie. Só que esta capacidade apenas está ao alcance de muito poucos. A bem dizer, é o desafio de qualquer músico popular. O que é que é que se poderá fazer agora de verdadeiramente refrescante, que tipos como Neil Young, Led zeppelin ou Velvet Underground já não tenham feito? In the Future é muito esclarecido para ser sludge. É muito vagabundo para ser stoner. Tem uma sede de viver que o impede de ser old Doom. In the future é sim, a retrospectiva rock do século XX.
Faixas a destacar: Angels; Tyrants; Wucan.

4- EARTHearth_bees-made-honey-in-the-lions-skull
The bees made honey in the lion´s skull

A cadência hipnótica. A melodia a soltar-se do ritmo. A suave brisa do vento beijando a copa de uma árvore. Os Earth são a banda sonora da fuga para lado nenhum. O realismo físico do som a dar as mãos ao surrealismo psicológico dos ouvintes. Esquecemo-nos que estamos ali e contamos metricamente cada síncope, cada soluço daquele interlúdio infindável. “The bees made honey in the lion’s skull” é o escape a uma indústria cada vez mais descartável e superficial. E como é bom ter o Earth de volta.
Faixas a destacar: Engine of ruin; Omens and portents II; Rise to glory.

5- JAZZANOVAcover1
Of all the things

Of all the things ganha o prémio de disco mais solarengo e boa onda do ano. Quem esperava destes alemães aquelas estafadas e sensaboronas músicas à la café del mar pode tirar cavalinho da chuva. O que se respira aqui é soul com uma boa dose de acid jazz para o menino e para a menina. As participações vocais são excelentes, o bom gosto na fusão sonora é permanente e os Jazzanova voltam a surpreender com mais este registo. Sai um gelado para o lounge/downtempo!
Faixas a destacar: Let me show ya; I can see; Little bird.

6 – Gang Gang Dancetsr050
Saint Dymphna

Estes tipos são o futuro. Um meteorito caído no universo pop/rock com a difícil tarefa de o fundir a tendências tribais e dançáveis num afã que retrata bem as novas correntes indie. O recorte descritivo das tensões pluridisciplinares de uma Nova Iorque que nunca dorme. O percurso errático entre uns Animal Collective, Lcd Soundsystem e High Places. Gang Gang dance é o caminho. E uma das bandas do momento para o insuspeito “New York Times”.
Faixas a destacar: First Communion; House Jam; Princes.

7- BURSTburst_lazerus_bird_cover
Lazarus Bird

As portas estavam escancaradas para o que ouvimos neste segundo álbum dos Burst. Há já algum empo que o post-metal deixou de ser novidade começando, meritoriamente, a detonar os tops da especialidade. O que temos aqui é um conjunto de longas faixas em que o fio condutor deriva entre o progressivo, o ambiental e metal moderno (ou metalcore, chamem-lhe o que quiserem). Mastodon, Cult of Luna e The Ocean gravitam referencialmente neste segundo registo dos suecos que já me tinham surpreendido com o anterior álbum “Origo”. Burst é mais uma pérola a ter em conta na música, dita, experimental.
Faixas a destacar: I exterminate the I; We are dust; Nineteenhundred.

8- THE BUGbug-lz
London Zoo

Este trabalho é mais uma prova de fogo à maioridade desse vibrante subgénero musical que despontou em Londres. O Dubstep pode ser considerado como the next big thing da música electrónica, mas o projecto The Bug esquiva-se a esse unanimismo. O que ouvimos aqui equipara-se ao vesúvio a entrar em erupção num bunker londrino escolhido aleatoriamente. O ragga brota violentamente dos poros e entranha-se no sacrossanto dub para explodir quando menos se espera na pista de dança. Como já se disse por aí, uma audição a London Zoo é largar a cavilha e ficar com a granada na mão.
Faixas a destacar: Poison dart; Insane; Judgement.

9- BEACH HOUSE beachhouse_devotion

Devotion

Este é um disco que deposita toda a sua magia no tributo à canção. O que temos aqui, ao contrário de alguns álbuns que preenchem esta lista, é uma colecção de músicas. E este duo de Baltimore fá-lo com o maior requinte, entre composições lo fi e a dream pop melódica e angélica. Devotion não nos traz nada de novo, e isso também não interessa. São músicas para serem levadas no ipod, portáteis, prontas a serem ouvidas a qualquer altura. Em 2008 poucos fizeram melhor do que este Xanax em forma de CD.
Faixas a destacar: Gila; You came to me; D.A.R.L.I.N.G.

10 – Crystal Castlescastles
Crystal Castles

Sou bastante sincero, talvez na primeira audição do álbum homónimo desta dupla canadiana, as minhas impressões não fossem as melhores. Lá vinha outro devaneio elctropunk independente. Mas como dizia o Pessoa, primeiro estranha-se depois entranha-se. E na realidade a cacofonia que emana daqui não é só agradável, é completamente insana. Juntem uma consola Atari, a uma rapariga histericamente possuída e um dj que vai colocando mais achas para a fogueira e têm os Crystal Castles. Isto pode parecer muito simples mas não é. Cliquem no play, subwoofers ao máximo e entregam-se a esta terapia no mínimo louca.
Faixas a destacar: Crimewave; Air War; Knights.

11- NICK CAVE & THE BAD SEEDS – Dig Lazarus, Dig

12- DEOLINDA – Canção ao lado

13- PYRAMIDS – Pyramids

14- HERCULES & LOVE AFFAIR – Hercules and love affair

15- SUBROSA – Strega


1 Response to “Top musical, 2008”


  1. Abril 17, 2009 às 9:11 pm

    está uma bela lista e umas belas criticas oh Úria!

    a minha (tal como ja te tinha dito) seria:

    1 – Vampire Weekend – Vampire Weekend
    2 – Oracular Spectacular – MGMT
    3 – Dear Science – Tv on the Radio
    4 – Consolers of the Lonely – The Raconteurs
    5 – Vantage Point – dEUS


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Blog Stats

  • 47,723 hits
Abril 2009
M T W T F S S
« Mar   Maio »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

%d bloggers like this: